Visite-nos
Rua Amazonas, 40 Bairro Santa Inês Três Pontas, MG (saiba como chegar)
Contato: (35) 3265-1041
Liturgia diária
Evangelho: 3ª-feira da 24ª Semana do Tempo Comum
Santo: São Januário

TERCEIRO DIA

– Enfim, no Carmelo –

Eu vos dou graças, ó Pai, por que me amais com imensa ternura e bondade recebendo-me no Carmelo – a casa de Maria – e aqui me guardando, sem nenhum mérito da minha parte. Na terra e no céu, cantarei eternamente a Vossa Misericórdia. Nossa Mãe

Deus tem um plano de Amor para cada pessoa. Cada um é livre de responder sim ou não a esse chamado Divino.
Nossa Mãe, em suas memórias, fala das dificuldades que encontrou para entrar no Carmelo, mas não desanimou: “Eu via toda a situação dolorosa em volta de meu grande ideal, como realizá-lo?”
Deus é fiel. Sua palavra fala e faz.
A princípio seu pai não consentia em sua entrada no Carmelo. Temia por sua saúde, pelos rigores de penitências e austeridades vividos aí.
Mas um fato o fez mudar de opinião. Tratava-se de um sonho que sua esposa tivera com a filha visitando a Igreja de Nossa Senhora do Carmo de Borda da Mata, quando em meio ao sono fora acordada por ele que chegara de viagem e lhe trouxera um rolo de papel, como presente, dizendo que o achara no trem. Aberto o rolo, era uma estampa de Santa Teresinha, no que a mãe viu um sinal de Deus a confirmar a vocação da filha.
Conta em suas memórias: “Papai era uma pessoa retíssima: dando o seu sim, estava disposto a qualquer sacrifício para realizar o que se desejava dele”.
E assim, no dia 29 de maio de 1937, a jovem Maria Luiza, entrou para o Carmelo Santa Teresinha, em Mogi das Cruzes –SP.
Seguiram-se as dores da separação, o último beijo em sua família: “E no dia 28 de maio, de madrugada, deixei meu lar amado, com a bênção de meus pais. Descendo a escada as forças me faltavam e as lágrimas vieram. A mãe heróica, que Deus nos deu, a mim e a meus irmãos, disse-me: Coragem, minha filha!”
A vida no Carmelo foi para ela um início bem difícil. A saudade era grande. Além do mais, as Irmãs não punham muita confiança em sua saúde para a vida austera que então se levava no Carmelo. Restavam-lhe a confiança em Deus e sua fé.
Um grande abalo veio ainda provar sua vocação. O pai morre, no dia 20 de junho de 1937, portanto, a apenas vinte dias de sua entrada no Carmelo. Conhecedora da situação financeira em que vivia a família, com a falência das fazendas de café do avô e o empenho do pai em ajudá-lo, pensa logo como a mãe vai sofrer.
Mas assumiu este desafio na fé. Compreendeu desde aí, que Deus ajudará os seus melhor do que ela poderia fazer. Confia! Entrega sua família nas mãos de Deus.

Repetir durante o dia:

Jesus, dai-me almas. Tenho sede de Vós!
(Nossa Mãe)

Para refletir:

1) Em meio aos sofrimentos da vida. Tenho fé e
confio?
2) Creio no amor de Deus por mim? Creio que Ele
cuida de tudo?

Oração final para todos os dias
Hino da Serva de Deus (refrão e 3ª estrofe)