Serva de Deus Madre Tereza Margarida Nossa Mãe

Rua Amazonas 40, Bairro Santa Inês - Três Pontas, MG

(35) 3265-1041

Notícias › 02/04/2021

A Via-Sacra do Papa escrita pelas crianças: Jesus nos consola em nossos medos

Em sua simplicidade e concretude, as meditações escritas pelas crianças e jovens para a Via Sacra deste ano presidida pelo Papa Francisco têm o poder de tocar profundamente o coração, de comover e fazer as pessoas pensarem, de desejar um mundo mais justo e feliz para todos, de pôr em questão, de se converter.

As muitas cruzes dos meninos e meninas do mundo

O sofrimento das crianças é muitas vezes subestimado. Na introdução ao livreto (publicado pela Libreria Editrice Vaticana) as crianças, dirigindo-se para Jesus, enfatizam o seguinte: ” Querido Jesus! Sabeis que nós, crianças, também temos cruzes, que não são mais leves nem mais pesadas do que as dos grandes, mas são verdadeiras cruzes, que sentimos pesadas mesmo de noite. E só Vós o sabeis, tomando-as a sério. Só Vós”. As cruzes são o medo do escuro, da solidão e do abandono, também por causa da pandemia, da experiência dos próprios limites, da provocação dos outros, da sensação de ser mais pobre que os colegas, da tristeza pelas brigas na família entre os pais. Mas há crianças no mundo que também sofrem porque “não têm comida, não têm instrução escolar, são exploradas e obrigadas a combater”. Vós, Jesus, estais sempre perto de nós e nunca nos abandona, concluem as crianças, ” Ajudai-nos dia a dia a levar as nossas cruzes como levastes a vossa”.

A acusação de um inocente e a falta de coragem

A primeira Estação: Pôncio Pilatos condena Jesus à morte. Nossos pensamentos se voltam para um episódio que aconteceu em uma sala de aula da primeira série: uma criança, Mark, é acusada de roubar o lanche de um colega de classe. Alguém sabe que ele é inocente, mas não intervém para defendê-lo. O narrador tem vergonha dessa falta de coragem; ele agiu como Pilatos e agora lamenta ter escolhido o caminho mais confortável. ” Às vezes só escutamos a voz de quem faz e quer o mal, enquanto a justiça é um caminho íngreme, com obstáculos e dificuldades; mas temos Jesus ao nosso lado, pronto a apoiar-nos e ajudar-nos”.

Nossas ações podem prejudicar

Jesus carrega a cruz: II Estação. A passagem do evangelista Lucas descreve Jesus sendo escarnecido e espancado por aqueles que o detinham sob custódia. Entre as crianças, não é raro zombar de um dos integrantes do grupo, até mesmo a ponto de ser intimidado, como no caso de Martina, que tem dificuldade de ler em voz alta na aula. ” Talvez não fosse nossa intenção ridicularizá-la, mas quanta angústia lhe provocamos com aquelas nossas risadas! (…) A perseguição não é uma longínqua recordação de há dois mil anos: às vezes, algumas das nossas ações podem condenar, ferir e pisar um irmão ou uma irmã.

A experiência do fracasso

Na terceira estação, Jesus cai pela primeira vez, o Senhor é sobrecarregado com nossos pecados, ele parece espancado e humilhado. A experiência que acompanha esta etapa é a de uma criança que é sempre boa na escola e que, por uma vez, recebe uma nota insuficiente: “Vi-me como uma nulidade – conta – senti o peso dum falimento inesperado, estava sozinho e ninguém me confortou. Mas aquele momento fez-me crescer (…) Hoje, sei que todos os dias vacilamos e podemos cair, mas, ali, está sempre Jesus a estender-nos a mão”.

O amor das mães

IV estação: Jesus encontra a sua Mãe. A leitura escolhida é a das núpcias em Caná centralizada na relação entre o Filho e sua mãe. É uma deixa para as crianças pensarem em sua mãe e em seu amor que as acompanha em todos os momentos. Também concretamente “ao treino de futebol, às aulas de inglês e à catequese na manhã de domingo”. A meditação fala da necessidade de amor dos pequenos e talvez ajude os pais a serem melhores. “Se tenho um problema, uma dúvida, ou simplesmente algum pensamento estranho, ela está sempre, com o seu sorriso, disponível em me escutar”.

Um gesto de boas-vindas: ver Jesus no rosto da outra pessoa

5ª estação: O Cireneu ajuda Jesus a levar a cruz. Há muitas oportunidades para ajudar alguém, mas o testemunho aqui descrito é o gesto de atenção dada a um estrangeiro da mesma idade. Tendo acabado de chegar no bairro, ele observa as outras crianças jogando futebol, mas não tem coragem de se apresentar. Uma criança do grupo o viu e foi a primeira a se aproximar dele e convidá-lo a se juntar a eles. “Desde então Walid é um dos meus melhores amigos”, diz ele, “assim como o goleiro da nossa equipe”. Somente quando reconhecemos um irmão em uma pessoa “estamos abrindo nosso coração a Jesus”.

Às vezes pouco é necessário para se sentir menos só

“Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes”, as palavras de Jesus tiradas do Evangelho de Mateus nos apresentam à 6ª estação: Uma mulher limpa o rosto de Jesus. Mesmo as crianças em suas atividades diárias passam por momentos difíceis ou tristes e precisam de alguém que as conforte. Como depois de perder uma importante partida de futebol onde você queria mostrar todas as suas habilidades. “Enquanto tomava banho, estava triste e desanimado, mas, ao sair do vestiário, encontrei o meu amigo: esperava-me com uma laranjada na mão”. Na sua companhia a derrota sofrida “tornou-se uma recordação menos amarga”.

Perder algo pensando nos mais necessitados

Jesus cai pela segunda vez: 7ª estação. A meditação relata a experiência de um aluno da quarta série. A representação de final de ano está sendo preparada e ele quer a todo o custo ser o protagonista. Ao invés disso, a professora decidiu dar o papel a João, um colega que estava sempre sozinho. Depois de alguma raiva inicial, a criança compreende e fica feliz. João, de fato, desde então, se tornou mais integrado na classe. Comenta: “A minha desilusão serviu para ajudar outra pessoa, a escolha da professora deu uma oportunidade a quem tinha verdadeiramente necessidade”.

Ajudar o irmão que errou

8ª estação: Jesus encontra as mulheres de Jerusalém. No Evangelho de Lucas, ao vê-las Jesus diz: “Filhas de Jerusalém, não choreis por Mim, chorai antes por vós mesmas e pelos vossos filhos”. É o ponto de partida para dizer que “Corrigir um irmão é um gesto difícil, mas necessário”. Isto foi experimentado por dois irmãos que haviam mentido para sua mãe, assegurando-lhe que tinham feito seus deveres de casa naquela tarde, quando na verdade eles tinham jogado o tempo todo. No dia seguinte, um deles diz que não se sente bem para não ir à escola. O outro vai, mas quando chega em casa ele fala com seu irmão: “tínhamos errado ao mentir à mãe e, ele, ao fingir uma dor de barriga. Propus-lhe fazermos imediatamente os deveres de casa, e ajudei-o até a recuperar os do dia anterior. Uma vez concluídos, passamos o resto da tarde a jogar”.

A solidão causada pela pandemia

Jesus cai pela terceira vez, estamos na nona estação. A passagem do Evangelho é a do grão de trigo que morre e assim produz muitos frutos. A pandemia da Covid-19 entra em cena com todas as suas consequências, mesmo para os pequenos. O sentimento predominante é de solidão: eles não visitam mais seus avós, a escola está fechada, seus amigos e companheiros estão desaparecidos. “Por vezes a tristeza da solidão torna-se insuportável, sentimo-nos ‘abandonados’ por todos, incapazes de continuar a sorrir. Como Jesus, encontramo-nos estendidos no chão”.

A alegria que vem de dar

10ª estação: Jesus é despojado de suas vestes. Aqui, também, é uma menina que narra: ela tem em seu quarto uma coleção de bonecas que guarda como seu tesouro. Um dia ela soube que a paróquia estava coletando brinquedos para as crianças refugiadas do Kosovo. Ela escolhe entre as bonecas algumas das mais velhas de quem gosta menos e prepara uma caixa. Então ela conta: “À noite, porém, tinha a sensação de não ter feito o suficiente. Antes de ir dormir, a caixa estava cheia de bonecas e as prateleiras vazias”. Desfazer-se do supérfluo deixa a alma mais leve e liberta-nos dos egoísmos. Torna-nos mais felizes dar do que receber.

Um Natal ao serviço dos pobres

“No dia de Natal, fomos com os escoteiros a Roma, às Irmãs Missionárias da Caridade, para servir o almoço aos necessitados, renunciando ao dia de festa em família”. O que foi descrito na meditação da 11ª estação não é um sacrifício: Jesus é pregado na cruz. Mas um dos jovens confidencia: “No regresso, pensava no rosto das pessoas que servira, nos seus sorrisos e nas suas histórias… A ideia de ter levado àquelas pessoas um momento de serenidade tornara aquele Natal inesquecível”. Servir os outros com amor “é o ensinamento que Jesus nos dá na cruz”.

Jesus perdoa o pecador que é convertido

12ª estação: Jesus morre na cruz. O exemplo de Jesus perdoando o mal recebido faz as crianças refletirem sobre o mal presente no mundo, por exemplo, sobre as máfias que matam até mesmo crianças. Como é possível perdoar situações similares? Eles escrevem: “Jesus, dai-nos a força de perdoar, Vós que dissestes: ‘Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão’”.

Eles levaram o avô e nunca mais o vi

Tudo está realizado, 13ª estação: O corpo de Jesus é retirado da cruz. Durante este tempo, muitas crianças sofreram o desaparecimento repentino de seus avós. Um deles narra: “Da ambulância desceram homens, que pareciam astronautas munidos de toucas, luvas, máscaras e viseiras, e levaram o avô que, já há alguns dias, sentia dificuldade em respirar. Foi a última vez que vi o avô. O sofrimento nasce também da impossibilidade de estar próximo fisicamente e dar-lhe conforto: “Rezei por ele todos os dias; pude assim acompanhá-lo nesta sua última viagem terrena”.

Obrigado, Jesus, por me ensinar a amar

Décima quarta estação, a última: O corpo de Jesus é depositado no sepulcro. A meditação proposta é a ação de graças de Sara, de doze anos, a Jesus. Quero agradecer-lhe, escreve ela, porque “hoje me ensinastes a superar todos os sofrimentos, confiando-me a Vós; a amar o outro como meu irmão; a levantar-me depois das quedas; (…) Graças ao vosso gesto de amor infinito, hoje sei que a morte não é o fim de tudo”.

Ajudai-nos a tornar-nos pequeninos

Na oração final na Via Sacra, os adultos tomam novamente a palavra. Jesus indicou as crianças como exemplo quando descreveu as características necessárias para entrar no Reino dos Céus. A primeira solicitação é, então, ajudar a poder “Ajudai-nos a tornar-nos pequeninos, necessitados de tudo, abertos à vida. (…) “Pedimo-Vos que abençoeis e protejais todas as crianças do mundo, para que possam crescer em idade, sabedoria e graça”. Por fim agradecem aos pais: “Abençoai também os pais e quantos colaboram com eles na educação destes vossos filhos, para que, dando vida e amor, se sintam sempre unidos a Vós”.

 

Fonte: VaticanNews

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X