Carmelo São José - Serva de Deus Madre Tereza "Nossa Mãe"

Rua Amazonas 40, Bairro Santa Inês - Três Pontas, MG

(35) 3265-1041

Notícias › 13/06/2019

Francisco a Núncios: defendam a Igreja e não se juntem a blogs e grupos hostis ao Papa

Na manhã desta quinta-feira (13) e pela terceira vez no Vaticano, o Papa Francisco recebeu em audiência mais de 100 Representantes Pontifícios, dois quais 98 Núncios Apostólicos. O encontro faz parte de uma reunião, convocada pelo próprio Pontífice, que termina no sábado (15) e contempla momentos de espiritualidade e sessões de trabalho sobre atualidade eclesial, de colaboração internacional e diálogo inter-religioso.

O Papa dirigiu algumas palavras em caráter privado e entregou o discurso escrito para a ocasião, que começava com um convite: analisar a vida da Igreja com “olhos de pastores” e refletir sobre a “missão delicada e importante” dos Representantes Pontifícios. Para isso, Francisco compartilhou alguns preceitos “simples e elementares” através de um “decálogo”, dirigido também aos colaboradores, para fazer o serviço com “o mesmo entusiasmo do primeiro mandato”. Nas orientações, escreveu o Papa, dirigidas também a bispos e sacerdotes de todo o mundo, a importância do Representante Pontifício como homem de Deus, de Igreja, de zelo apostólico e de reconciliação, de homem do Papa, de iniciativa, de obediência, de oração, caridade e humildade.

1 – O Núncio é homem de Deus

Francisco descreveu o “homem de Deus” como aquele que segue “Deus em tudo e para tudo”, vivendo “pelas coisas de Deus e não por aquelas do mundo. Para não “sair dos trilhos e prejudicar a Igreja”, o Núncio precisa saber caminhar com humildade, praticar a justiça e manter o coração aberto aos menos favorecidos da sociedade.

“ O homem de Deus não ludibria e nem engana o seu próximo; não cede a fofocas e boatos; conserva a mente e o coração puros, preservando olhos e ouvidos da sujeira do mundo. Não se deixa enganar pelos valores mundanos, mas olha para a Palavra de Deus para julgar o que for apropriado e bom. O homem de Deus procura seriamente ser ‘santo e irrepreensível diante dele’ (Ef 1,4). ”

2 – O Núncio é homem de Igreja

O Papa recordou que o Núncio representa o Sucessor de Pedro e “o rosto, os ensinamentos e as posições da Igreja”. Para tanto, Francisco fez menção à tentação do servo mau ao falar de Núncios que “tratam mal os seus colaboradores” e têm outras posturas:

“ É feio ver um Núncio em busca de luxo, roupas e objetos ‘de marca’ entre pessoas que não tem o necessário. É um contratestemunho. A maior honra para um homem de Igreja é aquela de ser ‘servo de todos’. […] Ser homem de Igreja quer dizer defender corajosamente a Igreja diante das forças do mal que sempre tentam desacreditá-la, difamá-la ou caluniá-la. ”

3 – O Núncio é homem de zelo apostólico

Francisco afirmou que o zelo apostólico é aquela força que “nos protege do câncer da desilusão” e da tentação de cair na “timidez e na indiferença dos cálculos políticos e diplomáticos, ou mesmo no ‘politicamente correto’”. O Pontífice, então, citou a “grande figura de São Maximiliano Maria Kolbe”, quando escreveu sobre a propagação do “indiferentismo”, segundo o Papa, “uma doença quase epidêmica que vai se espalhando de várias formas, não só na generalidade dos fiéis, mas também entre os membros dos institutos religiosos”.

4 – O Núncio é homem de reconciliação

É importante que o Núncio, sendo um homem comunicação, seja também da “mediação, da comunhão, do diálogo e da reconciliação”, acrescentou Francisco, procurando ainda ser “imparcial e objetivo”.

“Se um Núncio se fechasse na Nunciatura e evitasse de encontrar as pessoas, trairia a sua missão e, ao invés de ser fator de comunhão e de reconciliação, se tornaria obstáculo e impedimento. Vocês não devem jamais esquecer que representam o rosto da catolicidade e a universalidade da Igreja nas igrejas locais espalhadas em todo o mundo e nos governos.”

5 – O Núncio é homem do Papa

Francisco lembrou que o Núncio não representa si próprio, mas o Sucessor de Pedro e, assim, “concretiza, atua e simboliza a presença do Papa entre os fiéis e as populações. É bonito que, em diversos países”, disse o Pontífice, “a Nunciatura é chamada ‘a Casa do Papa’”.

Um bom Núncio precisa ter uma vida de nômade, isto é, “viver sempre com a mala pronta” para ser enviado do Papa e da Igreja, inclusive nas comunidades onde o Pontífice não consegue chegar. E Francisco enfatizou:

“ É, portanto, incompatível o ser Representante Pontifício com o criticar o Papa por trás, ter blogs ou até mesmo se unir a grupos hostis a Ele, à Cúria e à Igreja de Roma. ”

6 – O Núncio é homem de iniciativa

O homem de iniciativa é uma pessoa que segue as capacidades de Jesus e o modelo dos Apóstolos, “é um mestre que sabe ensinar aos outros como se aproximar da realidade” para não ser pego de surpresa pelas tempestades da vida.

Além disso, disse o Papa, o Núncio precisa “adotar uma conduta adequada às exigências do momento, sem jamais cair nem na rigidez mental, espiritual e humana, nem na flexibilidade hipócrita e camaleônica. Não se trata de ser oportunistas, mas de saber como passar do conceito à implementação, tendo em mente o bem comum e a lealdade ao mandato”.

7 – O Núncio é homem de obediência

“A virtude da obediência é inseparável da liberdade”, disse Francisco, e “a obediência a Deus não se separa da obediência à Igreja e aos Superiores”. O Núncio deve seguir o estilo de vida de Jesus de Nazaré e, parafraseando tanto São Maximiliano Maria Kolbe como Santo Agostinho, o Papa alertou:

“Um Núncio que não vive a virtude da obediência – mesmo quando é difícil e contrário à própria visão pessoal – é como um viajante que perde a bússola, arriscando, assim, de falhar com o objetivo. Recordemos sempre o ditado ‘Medice, cura te ipsum’. É contratestemunho chamar os outros à obediência e desobedecer.”

8 – O Núncio é homem de oração

A relação com o Senhor, a familiaridade com Jesus Cristo, deve ser alimento diário de um Representante Pontifício, lembrou o Pontífice:

“A primeira tarefa de cada bispo, então, é aquela de se dedicar à oração e ao ministério da palavra. […] Sem a oração nos tornamos simples funcionários, sempre descontentes e frustrados. A vida de oração é aquela luz que ilumina todo o resto e toda a obra do Núncio e da sua missão”.

9 – O Núncio é homem de caridade ativa

O Papa Francisco enalteceu a importância do encontro com Jesus através da necessidade de “tocar com as mãos a carne de Cristo”, os pobres, as pessoas mais frágeis, a inteira família humana. Não basta se limitar às atividades práticas e inerentes ao Representante Pontifício, mas fazer render a missão com obras de caridade para ser realmente um pai e um pastor.

O Pontífice, ao falar da caridade como gratuidade, tratou também do “perigo permanente das regalias”:

“ A caridade ativa deve nos levar a sermos prudentes ao aceitar os presentes que são oferecidos para obscurecer a nossa objetividade e, em alguns casos, infelizmente comprar a nossa liberdade. Nenhum presente de qualquer valor deve nos escravizar! Recusem os presentes muito caros e, muitas vezes, inúteis, ou enviem à caridade. E recordem que receber um presente caro não justifica nunca o seu uso. ”

10 – O Núncio é homem de humildade

O Papa conclui o discurso entregue aos Representantes Pontifícios, abordando o preceito do Núncio como homem de humildade, ao repropor a oração escrita por um Servo de Deus e ex-Secretário de Estado, o card. Rafael Merry del Val (1865-1930), que, em síntese, indica o caminho cristão da humildade e do amor.

Via Vatican News

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X